Patrick – Sexy Boy

por Bruno Raposo

Quando chegou à minha mesa de trabalho o primeiro trabalho discográfico de Patrick, saltou-me logo à vista a faixa 3, intitulada de “Sexy Boy”. Automaticamente ecoaram na minha cabeça os sons etéreos da música com o mesmo nome dos AIR. Seria uma versão do mais famoso tema da dupla francesa? Apressei-me a descobrir, mas logo aos primeiros acordes fiquei esclarecido: não tem nada a ver! No entanto, apesar de me agradar ter uma versão de baile da Sexy Boy dos AIR, a música de Patrick prendeu a minha atenção logo que às primeiras palavras. É impossível ficar indiferente!

Patrick nasceu em Friburgo em 1990 e conta com uma carreira já bastante longa, está a comemorar 20 anos de carreira. Se as contas não me falham, começou portanto a tocar os primeiros acordes aos 8 anos. Há inclusive fotos que o comprovam! Vive actualmente na zona de Coimbra e trabalha como Relações Públicas no Bowling do Fórum Coimbra onde esporadicamente também realiza bailes. Este primeiro disco é o fruto de muita entrega e dedicação à música e o culminar de 20 anos de trabalho. E valeu a pena, porque já ouvi tanta coisa na vida que pensava que já nada me iria surpreender e Patrick esse assinalável feito.

Faltam-me as palavras para descrever a música de Patrick, formulo adjectivos na minha cabeça para a descrever e chego à conclusão de que não há no léxico português um adjectivo adequado aquilo que senti logo na primeira estrofe. Penso que o melhor é analisarmos a música em conjunto e para isso peço-vos que ponham a música a tocar ao mesmo tempo que tentam acompanhar as a letra que vou procurar comentar de seguida:

Eu sou o sexy boy,
de gordas, mulheres casadas,
eu sou o sexy boy,
elas ficam admiradas.

Nesta estrofe Patrick apresenta-se aos ouvintes. É um sexy boy com poucos critérios, dá a entender que o que vier morre, Marcha tudo!

Eu sou o sexy boy,
sou doido por mulheres,
eu sou o sexy boy,
faço tudo o que elas querem.

Na continuação ficamos com poucas dúvidas, este homem está disposto a tudo!

Gosto delas loiras,
só fazem disparates,
gosto das morenas,
que me calcam tomates.

Com o avançar da letra começamos a descobrir os gostos mais sórdidos de Patrick…

Adoro ser assediado,
isso faz rejuvenescer,
gosto de beijar,
mamar e comeeeer.

Começamos a ficar assustados, Patrick!

Eu sou o sexy boy,
de gordas, mulheres casadas,
eu sou o sexy boy,
elas ficam admiradas.

 

Eu sou o sexy boy,
sou doido por mulheres,
eu sou o sexy boy,
faço tudo o que elas querem.

O refrão aqui é a pausa que precisávamos para respirar depois desta escalada abrupta do Patrick. É o balde de água fria que precisávamos para enfrentar o que aí vem:

Gosto de mulheres difíceis,
é o que me dá mais prazer,
são elas que escolhem,
o prato que querem comer.

No fundo é um cavalheiro e respeita o empoderamento da mulher moderna. Elas é que escolhem, por ele está tudo bem!

Algumas têm a coisa parada,
ou até reformada,
é uma pena, um desperdício,
Estavam tão bem na minha almofada.

Meninas, é a vossa oportunidade de voltar à acção!

Eu sou o sexy boy,
de gordas, mulheres casadas,
eu sou o sexy boy,
elas ficam admiradas.

 

Eu sou o sexy boy,
sou doido por mulheres,
eu sou o sexy boy,
faço tudo o que elas querem.

Respiremos de novo!

Ela sabe tocar guitarra,
e eu perguntei-lhe assim,
se eu escolher uma música,
tocas uma para mim?

Eis que surge, vinda do nada, uma inesperada e misteriosa personagem. Mas com este imaginário todo não nos surpreende a aparição de um casting…

Veio trabalhar comigo,
e perguntou se eu era capaz,
no fim dos espectáculos,
de lhe dar algum por trás.

Bem, todos nós já vimos este desfecho nos castings do sofá vermelho… Acaba sempre assim. No fim da música fico na dúvida se coloco este post também com a categoria “audiopornografia”. A música de Patrick é “incategorizável” e é por isso que é refrescante vermos em 2018 um novo talento da Música Popular Alternativa a surgir. O Portal Pimba vai continuar atento à evolução da carreira deste jovem talento. Partilhem a sua música, mostrem-na a todos os “Sexy boys” que conhecem.

 

You may also like

Leave a Reply