1986 série RTP

1986 (a série) – Uma banda sonora alternativa

por Bruno Raposo

Foi ontem para o ar o terceiro episódio da série 1986, escrita pelos irmãos Markl e Filipe Homem Fonseca e emitida todas as terças feiras no serão da RTP1. Para quem não viu ainda nenhum episódio, a série retrata a vida de uma família monoparental comunista de classe média dos subúrbios de Lisboa e tem como tema central a disputa entre Mário Soares e Freitas do Amaral para a presidência da república.

Em redor do tema central, a série está cheia de referências aos anos 80, desde o típico videoclube a uma banda sonora que nos ajuda a viajar até ao ano de 1986. E foi precisamente isto que me levou a fazer este post. A série está repleta de referências que em 1986 não estavam disponíveis à maioria da população. Quem é que em 1986 ouvir Smiths, New Order, David Bowie e outras xaropadas indie só ao alcance de uma minoria urbana de classe média e endinheirada? Não eram estas as bandas que chegavam ao país real através da telefonia, por isso resolvi meter mãos à obra e investigar o que se ouvia na altura.

Em baixo mostro-vos uma lista de músicas que se ouviam em 1986. Encarem-na como uma banda sonora possível de uma segunda “season” de 1986 passada na aldeia de Vila Facaia – Pedrogão Grande (é apenas uma sugestão).

Leonel Nunes – Vem cá meu amor vem cá

Editada em 1985, a cassete “Vem cá meu amor vem cá” editada pela Dualsom era o que os fãs do Homem do Garrafão ouviam  na altura. Nela ficámos a conhecer músicas como “Não gostes de borrachinhos“, “Diga lá se isto dói ou não dói“, “Quer seja curto ou comprido” e a incrível “Só tragédia“. Uma obra que todos devem conhecer. Nada representa melhor os anos 80 do que o maravilhoso som dos órgãos ELKA!

Dino Meira – Saudades

Em 1986 o malogrado Dino Meira lançava o álbum “Saudades”. Nele constava este maravilhoso tema “Mentira Mentira” uma obra inspirada no Italo Disco dos anos 80 e que ficaria a matar numa segunda “season” de 1986.

Marco Paulo – Sedução

Também Marco Paulo em 1986, à semelhança de Dino Meira, se inspirava nos ritmos italianos. “Amor Italiano” foi o maior sucesso retirado do álbum “Sedução”.

Clemente – Marinheiro

Não poderíamos falar de Italo Disco sem falar de Clemente. Este single “Marinheiro” foi editado em 1986 pela Polydor e  viria a ser incluído no seu longa duração de 1987 – “Fantasia”. No lado B podíamos escutar a música “Mentira”.

Nel Monteiro – Caranguejo na Praia

“”A minha prima coitada, ao sentir a comichão coçou tanto tanto, que o pipi parecia um pão” canta Nel Monteiro, no seu estilo muito próprio,  nesta “Caranguejo na Praia”, uma espécie de sequela do seu êxito “Azar na praia” editado em 1984 e que chegou ao disco de ouro precisamente no ano de 1986, numa altura em que o galardão representava mais de 40 mil discos  vendidos.

Ernesto Cedovim – Telefonema para Cristina

O ano de 1986 é o ano do maior sucesso da carreira de Ernesto Cedovim. “Telefonema para Cristina” foi um estrondoso sucesso entre a comunidade portuguesa em Paris, para onde Ernesto Cedovim teve que emigrar “a salto”à semelhança da sua colega “Linda de Suza”, que também em 1986 editou o seu grande sucesso “La Valise en carton”.

Ernesto Cedovim viu-se forçado a emigrar depois de, no fulgor da sua juventude, ter dado um soco a um bufo da Pide na sua terra natal – São João da Pesqueira. Em Paris realizou o seu sonho de cantar, e participou em bandas como os “Abril em Portugal”, “Grupo Lisboa”, “Grupo Musical México” e os “Top 7 System”. Em 1986, já a solo, atingiu o topo da sua carreira com este “Telefonema Para Cristina” que vale a pena ouvir com atenção.

Quim Barreiros – Bacalhau à portuguesa

Também em 1986 Quim Barreiros lança “Bacalhau à Portuguesa”, talvez o maior sucesso da sua profícua carreira. Do mesmo álbum foram retirados outros sucessos como “Curso de Dactilografia”, “Picada de Enfermeiro”, “Cuidado Zé”, etc. Um disco de antologia!

No mesmo ano Quim Barreiros lança também “Riacho da Pedreira”, que além do tema título do álbum, contava com canções intemporais como: “Velha Choupana”, “Meu casamento”, “A rola“, etc. Quim Barreiros comfirmava assim o bom momento que a sua carreira atravessava no ano de 1986!

José Malhoa – Sonho D’Amor

O incontornável José Malhoa em 1986 continuava, à semelhança dos dias de hoje, a lançar estrategicamente êxitos de Verão. Este Sol de Verão está para 1986 como o Baile de Verão 2004. A bateria electrónica é simplesmente viciante e os teclados transportam-nos automaticamente para as pistas de dança da altura. Eu, a apostar numa música para o genérico de uma segunda “season” de 1986, apostava sem dúvida neste “Sol de Verão”.

No mesmo ano José Malhoa editou também, em dueto com “Ana Malhoa”, o single “Pai Amigo” que marcou a estreia discográfica da sua filha. Foi em 1986 que nasceu o mito vivo “Ana Malhoa”! É certo que estava muito longe da “máquina de fiesta” que a “bomba latina” se transformou, mas a 30 anos de distância, é fascinante recordar todo o seu percurso até aos dias de hoje.

Conjunto Irmãos Leais – Ó Julia

Tony Lito em 1986 emprestava a sua vibrante e cristalina voz ao Conjunto Irmãos Leais que lançavam nesse ano o seu Volume 3 de músicas populares. Tony Lito vinha mais tarde a integrar bandas como Os Solitários e o Conjunto Nelly Correia, tornando-se uma voz de culto da música portuguesa.

Duo Tony Lemos – Duo Tony Lemos

Os irmãos Tony e Marlene davam por esta altura os seus primeiros passos na música com o “Duo Tony Lemos” que muitos anos mais tarde se viriam a transformar nos Santamaria. Neste “Ai ai avózinha” já podemos ter um vislumbre do poder vocal de Marlene Filipa Lemos que hoje todos conhecemos dos Santamaria.

Jorge Ferreira – Encontro em Fall River

Um ano depois de ter lançado o seu êxito “Carro Preto” (1985), Jorge Ferreira continua no tema dos transportes e lança este magnífico Autocarro do Amor, retirado do seu álbum “Encontro em Fall River”.

Também no mesmo ano lança também o emotivo álbum “Mãe já Partiste“, mas sem conseguir alcançar o estrondoso sucesso de Autocarro do Amor.

Trio Odemira – Ana Maria

Com uma linha de baixo que ainda hoje reconhecemos aos primeiros acordes, este “Ana Maria” é das nossas músicas preferidas dos anos 80, e um improvável sucesso das pistas de dança ainda nos dias de hoje.

Ainda no ano passado pudemos assistir “in loco” ao encerramento do Festival Bons Sons com a “Ana Maria” e foi a loucura total. É intemporal!

Estas são algumas das músicas que ouvíamos em 1986. Haverá com certeza muitas mais, mas a nossa memória desta altura é pouco clara e as informações que encontramos na internet são muito escassas. Pensamos, no entanto, que esta será uma selecção que cumpre bem o objectivo a que nos propusemos no inicio deste texto: criar uma banda sonora alternativa para uma segunda “season” de 1986 rodada em espaço rural.

Como sabemos que esta não é uma lista infalível, aceitamos as vossas sugestões de músicas a incluir nesta lista. Deixem as vossas sugestões na caixa de comentários ou passem pelo nosso Facebook!

You may also like

1 comentário

gps Março 31, 2018 - 3:33 pm

Já conhecia os Smiths e os New Order – pois passavam na Rádio Comercial – mas não conhecia muitos destes temas mais pimba (não conhecia os temas de Leonel Nunes, Ernesto Cedovim, Duo.Tony Lemos, Jorge Ferreira e Irmãos Leais). O tema do DIno Meira é versão de um tema francês “Macumba” de Jean Pierre Mader, mas não foi um dos seus temas mais conhecidos.

Reply

Leave a Reply